Política De Segurança Da Informação

Política de segurança da informação: o que é e como funciona?

Hoje, as informações estão entre os ativos mais valiosos de uma organização. Alguns dados, específicos de cada negócio, são essenciais para o desempenho das atividades de uma empresa. Na maioria das vezes, esses são pontos sigilosos e que impactam no resultado final de vários projetos. Daí a importância de uma boa política de segurança da informação.

O alto valor dessas informações fez com que um novo tipo de ataque se tornasse cada vez mais comum: os ransomwares, que visam “sequestrar” todos os dados da sua empresa e somente libera mediante pagamento de resgate. Quando isso acontece, os hackers costumam cobrar preços altíssimos para a liberação dos arquivos. E, caso o resgate não ocorra, muitas vezes os dados simplesmente são apagados e a empresa poderá ter sérios prejuízos.

Esse cenário fez aumentar a necessidade de investimento em uma política de segurança da informação. Você sabe o que é e como funciona? Continue a leitura deste artigo e descubra!

 

Afinal, o que é a Política de Segurança da Informação?

A Política de Segurança da Informação (PSI) pode ser definida como um documento que reúne um conjunto de ações, técnicas e boas práticas para o uso seguro de dados empresariais. Em outras palavras, é um manual que determina as medidas mais importantes para certificar a segurança de dados da organização.

Para facilitar o entendimento, pode-se dizer que o PSI funciona como o código de conduta interno de um negócio, no qual é estabelecido como os profissionais devem agir, o que é permitido e o que é proibido fazer e quais atitudes devem ser tomadas no caso de uma emergência.

 

Qual a importância da PSI para uma empresa?

Como destacado, a Política de Segurança da Informação está deixando de ser opcional e se tornando um item obrigatório para a maioria das empresas — inclusive, fundamental para o sucesso delas no mercado. A sua importância está atrelada à capacidade de proteção dos dados, garantindo que tais informações não sejam acessadas pelos seus concorrentes e/ou por pessoas não autorizadas.

É preciso ter ações claras, simples e eficazes, de modo que todos os colaboradores saibam o que deve ser feito para evitar que os dados fiquem expostos. Além disso, a PSI pode ser utilizada para administrar e solucionar emergências, por meio de ações que previnem danos maiores aos objetivos da companhia.

 

Como elaborar uma Política de Segurança da Informação?

Existem algumas informações que dependem, necessariamente, do ramo de atuação de sua empresa. Entretanto, outras ações podem ser realizadas por empresas de qualquer vertical. Sendo assim, podemos citar alguns pontos essenciais em qualquer PSI. Veja quais são os 6 itens que não podem faltar:

1. Faça um diagnóstico prévio

A primeira medida para criar uma Política de Segurança da Informação se dá pela realização de um diagnóstico sobre as principais informações de sua empresa. Em outras palavras: é preciso saber quais dados devem ser protegidos. Analise todos os dispositivos que sua empresa utiliza, bem como o seu comportamento e quais informações precisam ser resguardadas. Além disso, procure identificar os níveis de acesso dessas informações, reconhecendo as principais necessidades.

Também é importante identificar quais são as principais ameaças e fragilidades dos ativos de informação. Assim, será possível criar uma PSI mais efetiva e que atenda as necessidades da empresa. Pense nisso!

2. Incentive a criação colaborativa

A implantação de uma Política de Segurança da Informação afetará todos os colaboradores, não é mesmo? A primeira vista, a PSI pode ser vista com desconfiança pelos trabalhadores, principalmente aqueles mais acostumados com o dia a dia da empresa.

Contudo, deve-se incentivar a criação colaborativa, ou seja, garantir que os profissionais possam dar suas opiniões e sugerir ações de melhoria para o processo. Essa é uma maneira interessante de garantir que a Política de Segurança da Informação seja aplicada com êxito.

3. Use princípios básicos de segurança

Existem alguns princípios básicos de segurança que devem estar presentes na Política de Segurança da Informação: integridade, confiabilidade e disponibilidade.

  • A integridade diz respeito à alteração dos dados. Uma PSI deve permitir que apenas pessoas autorizadas consigam alterar as informações;
  • já a confiabilidade está relacionada ao acesso à informação, ou seja, apenas pessoas autorizadas podem conseguir visualizar os dados;
  • por fim, a disponibilidade é, literalmente, a disponibilização dos dados, que só podem estar acessíveis para pessoas autorizadas — colaboradores e/ou clientes que não precisem de determinada informação não devem nem ter acesso a ela.

4. Defina os níveis de acesso

A melhor maneira de definir os níveis de acesso às informações se dá pela análise de três aspectos: quem acessa, como acessa e quando acessa.

Primeiramente, é preciso saber quais colaboradores e/ou clientes devem acessar as informações e por qual razão. É importante considerar as funções que exercem, e não o nome dos colaboradores. Assim, quando houver a troca de profissionais por qualquer motivo, será mais fácil definir seus níveis de acesso.

A forma como as pessoas acessam as informações também é importante. Avalie os principais sistemas e dispositivos que são utilizados para se conectar aos dados. Muitas pessoas estão utilizando o smartphone para acessar seus e-mails, por exemplo.

Por fim, mas não menos importante, o momento em que os dados são acessados também é importante, seja no horário de trabalho, seja fora do expediente. Essa situação ajuda a definir quais os tipos de controle que precisam ser implementados na PSI.

5. Alinhe os processos

Os processos empresariais devem estar alinhados com as normas de segurança para que a atuação das equipes seja a melhor possível, principalmente em negócios que têm vários prestadores de serviço.

Para garantir esse sistema, é recomendado a realização de reuniões periódicas, mensais ou semanais, dependendo de cada caso. Assim, as equipes sempre estarão com atividades alinhadas, dentro dos processos que foram criados.

6. Treine os colaboradores

Outra maneira de garantir o sucesso da Política de Segurança da Informação se dá pelo correto treinamento dos colaboradores.

Não basta apenas contar com sistemas de monitoramento de rede e outros recursos de segurança, como e-mail gateways. É preciso se certificar de que todos os funcionários saibam o que deve ser feito para garantir a proteção necessária dos dados da empresa. Um treinamento eficiente também é importantíssimo para que a Política de Segurança da Informação seja válida.

Como percebemos, investir na criação de uma PSI eficaz já se tornou uma questão de sobrevivência para vários negócios. Por isso, procure ajuda de empresas qualificadas para te dar suporte nessa tarefa fundamental. A proteção dos seus dados deve ser levada a sério.

E aí, gostou do nosso artigo? Ficou interessado pelo assunto? Então, aproveite para conhecer também os 5 erros de segurança da informação cometidos pelas empresas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *